Por Dr. Gilberto Nagahama, ginecologista do HSANP, centro hospitalar localizado na Zona Norte de São Paulo.

Embora a menstruação seja comum na vida das mulheres, muitas delas ainda carregam dúvidas simples sobre o assunto.

Normalmente, são informações passadas de geração para geração, mas que nem sempre têm uma explicação médica.

Às vezes, por timidez, a paciente não pergunta para um profissional e a interrogação persiste por muito tempo.

Para esclarecer, separei alguns mitos clássicos sobre o assunto que ainda sobrevivem entre as mulheres.








1. “É impossível engravidar durante o período menstrual”
Na teoria, realmente não é possível, já que menstruação é a “descamação” do endométrio, camada que é preparada para receber a gestação.

No entanto, o corpo não é uma máquina que trabalha com exatidão, por isso é sempre bom tomar medidas preventivas para evitar o risco.

2. “Mulheres com muita convivência menstruam simultaneamente”
Cada pessoa tem o seu corpo com manifestações totalmente individuais; portanto, o período menstrual não tem relação alguma com o de outras mulheres.

3. “As relações sexuais são mais prazerosas durante a menstruação”
O período de maior desejo sexual é justamente o de ovulação, que corresponde aproximadamente ao 14° dia do ciclo menstrual.

Acreditamos que muitas pacientes têm a sensação de mais prazer justamente por ficarem despreocupadas com o risco de engravidar.

4. “É errado fazer exercícios durante o período menstrual”
Exercícios físicos são essenciais para manter a qualidade de vida em qualquer momento.

No período menstrual, eles ajudam a controlar a dor das cólicas devido à liberação de hormônios de prazer, como endorfinas.

5. “Absorventes internos são proibidos para mulheres virgens”
Mais um mito.

O hímen tem até 2,5 cm de abertura na puberdade, e o absorvente interno é menor, tem até 1,9 cm.

6. “Ter relações sexuais nesse período aumenta o risco de contrair DSTs”
A realidade é que, com ou sem menstruação, fazer sexo desprotegida aumenta o risco de contrair qualquer doença sexualmente transmissível.