Cinco pontos para entender a greve dos caminhoneiros e a intransigência da Petrobrás

• Com informações da Superinteressante

Os cinco principais motivos e causas da paralisação:

 







1 – Por que o diesel e a gasolina sobem tanto se o Brasil é um grande produtor de petróleo?

De um lado, a Petrobras faz dinheiro exportando óleo cru. De outro, produzindo diesel e gasolina com seu petróleo para vender no mercado interno. A exportação de matéria-prima, porém, é mais lucrativa. A gestão Pedro Parente, então, decidiu focar na exportação, diminuindo a produção de derivados. Para suprir a demanda por diesel e gasolina, a estatal e suas concorrentes importam os combustíveis. De acordo com a Associação de Engenheiros da Petrobras (Aepet) o diesel importado respondia por 41% do mercado em 2015. Em 2017, já tinha subido para 80%. Os preços dos combustíveis importados flutua diariamente no mercado internacional, acompanhando a variação do barril de petróleo. Se a Petrobras não acompanhar esses valores, reajustando seus preços diariamente, corre o risco de amargar prejuízos. É o que vinha acontecendo até 2014, quando a empresa era obrigada a comprar combustíveis lá fora por um preço maior que o de revenda no mercado interno. Era como se a estatal comprasse algo por R$ 10 e tivesse de revender a um preço tabelado em R$ 7. Essa política sangrava o caixa da Petrobras, e colocava a própria existência dela em risco. A adoção dos reajustes diários, em julho de 2017, foi considerada o movimento mais importante da companhia rumo à saúde financeira. Mas aí apareceu uma pedra no meio do caminho: de 2016 para cá, o preço do barril no mercado internacional subiu 170%, de US$ 28 para os atuais US$ 76, o que nos leva à segunda pergunta.

2 – Por que o petróleo aumentou lá fora?

Quando o barril estava abaixo de US$ 30, a Arábia Saudita liderou uma freada na produção global para reduzir a oferta, e fazer o preço subir na marra. A medida demorou para surtir efeito, porque os estoques dos países consumidores estava cheio de petróleo comprado a preço de banana. Conforme os estoques foram reduzindo, do meio de 2017 para cá, os petróleo ficou mais caro. A recuperação econômica dos EUA e da União Europeia, que só agora começam a se ver livres da crise que começou em 2008, também pressionou a demanda. Para piorar, os EUA voltaram a boicotar petróleo do Irã, um dos grandes exportadores do planeta, por razões políticas – o que fez a oferta de petróleo diminuir mais ainda, e os preços voltarem à estratosfera.

3 – Mas e a alta do dólar?

Pois é. Não dá para comprar petróleo com reais, ou com qualquer outra moeda que não seja o dólar. O problema é que o dólar está caro, e por um motivo que nada tem a ver com petróleo. Os EUA estavam aplicando uma política de juros perto de zero para fomentar a economia (quanto menores os juros, maior o consumo). Com a recuperação, os juros americanos começaram a voltar a taxas mais próximas das normais. Só tem uma coisa. Os juros também balizam o quanto um país paga para pegar dinheiro emprestado (dinheiro sem o qual nenhum governo consegue tocar as despesas do dia a dia). Pois bem. Os juros de longo prazo dos títulos da dívida pública americana subiram de algo perto de zero para 3% ao ano. Para comprar títulos da dívida americana, você precisa de dólares. Quando esses títulos ficam mais atraentes (e 3% é atraente para uma moeda que inflaciona pouco, como o dólar), a demanda pela moeda americana sobe. Moeda, afinal, também é mercadoria. E pagando juros bons sem o risco de inflacionar, o dólar se torna uma mercadoria requisitada. Nisso, o real e todas as outras moedas perdem valor, já que você vai precisar de uma quantidade maior delas para comprar cada dólar. Mesmo assim, o aumento do dólar não foi tão relevante. A moeda americana subiu 12% nos últimos 12 meses, contra 22%, em média, da gasolina e do diesel.

4 – Quem começou a greve?

Não foi possível detectar uma liderança centralizada até agora. A organização foi com base no Whatsapp – num modus operandi que lembra mais os protestos de 2013 do que uma greve clássica, com líderes estabelecidos. Mas há evidências de que as empresas de transporte estejam por trás do movimento. De acordo com o sociólogo do trabalho Ricardo Antunes, da Unicamp, 55% dos dois milhões de caminhões que circulam pelo país pertencem a empresas. Sem as grandes companhias envolvidas, então, dificilmente haveria uma greve tão generalizada. Tal atitude, como você deve estar acompanhando no noticiário, é crime. Empresários não podem paralisar seus serviços para obter vantagens do governo – só trabalhadores têm esse direito.

5 – Foi só por causa do preço do combustível?

Não. A situação dos caminhoneiros e das empresas de transporte se complicou com a recessão. Quando a economia crescia com força, no final da década passada, o governo federal passou a oferecer crédito barato, via BNDES, para a compra de caminhões. Natural. O “gargalo logístico” sempre foi um freio para a nossa economia. A medida melhorou nossa capacidade logística. De 2009 para cá a frota de caminhões aumentou em 40%. A economia, porém, subiu só 11%. Nisso, passamos a ter caminhão demais para frete de menos. Todos foram obrigados a reduzir seus preços, operando com margens de lucro bem menores. Então veio a escalada no preço do diesel para comer uma fatia desse lucro já minguado. Foi a gota que faltava.