Colombianos ofereciam “empréstimo fácil”; juros chegavam a 20% e pagamentos eram diários

Postado por Redação Ônibus de Campinas em 18 de novembro de 2017 às 07:02

Com informações do Correio Popular
Uma investigação da equipe do 5º Distrito Policial de Campinas, no Jardim Amazonas, desmantelou uma quadrilha de colombianos suspeita de fazer empréstimos cobrando juros abusivos de 20% e exigindo das vítimas pagamentos diários.

Quatro homens foram presos em flagrante por crimes contra o sistema financeiro, a economia popular e por associação criminosa.








A polícia acredita que o bando tenha movimentado entre R$ 200 mil e R$ 250 mil em um período de um ano.

Com eles foram apreendidos quatro veículos, sendo três carros e uma moto, diversas chaves, planilhas de clientes e de metas, dinheiro e documentos de diversos veículos.

Os policiais detiveram os colombianos após investigação de um material de propaganda que chegou na delegacia, no qual era oferecido empréstimo pessoal fácil, sem burocracia.

Os investigadores passaram apurar a procedência e também se havia alguma vítima.

Descobriram que o grupo se passava por empresa financeira e emprestava dinheiro a juros abusivos e extorsivos.

O pagamento era diário e com prazo final de 20 dias.

Se uma pessoa pegava R$ 2 mil, no final de 20 dias acabava pagando R$ 2,4 mil.

Esse prazo podia ser renovado por mais 20 dias, e assim por diante.

O grupo oferecia o serviço em locais de grande fluxo de pessoas, como estações de ônibus, de trens, em aeroportos, shoppings centers e praças nas cidades de Campinas, Valinhos e Vinhedo.

Os policiais ainda apuram se eles têm ligação com outras pessoas no bairro Bom Retiro, em São Paulo.

Os policiais acreditam que os suspeitos tenham feito ao menos 350 vítimas.

Algumas delas foram identificadas e já prestaram depoimentos.

A busca foi feita em um escritório no Jardim Cura D’Ars e na casa deles, no bairro Swift. Foram apreendidos também joias e panfletos de divulgação dos empréstimos.

Em um dos panfletos, há exemplos de empréstimos e forma de pagamento.

Os colombianos apresentaram RNE (Registro Nacional de Estrangeiro), mas a situação de legalidade no país será averiguada com a Polícia Federal.