Greve geral: o que deve parar, o que pode parar e o que não vai parar

Postado por Redação Ônibus de Campinas em 29 de junho de 2017 às 18:31

Com apoio da CBN Campinas e VTV/SBT
Como você já deve saber, nesta sexta-feira haverá uma grande mobilização nacional contra o governo Temer, contra a reforma trabalhista, da previdência, pedindo eleições diretas, entre tantas outras questões que envolvem a vida política do nosso país.

Dessa vez, as centrais sindicais não estão adotando o termo “greve geral”, e nota-se que o movimento está menos organizado que da outras vezes. Só pra curiosidade: na greve geral do dia 28/04, na semana da paralisação já havia uma programação completa de atos e mobilizações.

Dessa vez também haverá atos aqui na nossa região. Veja o resumo aqui no ODC.



Bancos

Vão parar, conforme acordado em assembleia no dia 21. Essa categoria também paralisou as atividades na greve do dia 28 de abril, sendo que segundo a entidade, naquela ocasião, 30 agências de Campinas ficaram fechadas na região central.

Saúde

A área da saúde também deverá ter reflexo, já que segundo o Sinsaúde, a categoria aprova a mobilização nacional e se programa uma passeata dos trabalhadores do setor, ao longo doa dia. O sindicato dos servidores municipais informou que apoia a greve e ao longo do dia serão mapeados os impactos aos serviços da cidade.

Professores

O Sinpro que é o sindicato dos professores da rede privada mobiliza os profissionais a aderirem ao movimento e participarem do ato das cinco da tarde desta sexta-feira, no Largo do Rosário, organizado pelas Frentes “Brasil Popular” e “Povo sem Medo”.

Replan

Os petroleiros também estarão nesta mobilização, sendo que além da pauta geral contra as reformas da previdência e trabalhista, têm reivindicações próprias, apontando o sucateamento do setor. Por isso, nas refinarias, como a Replan em Paulínia, a paralisação será por tempo indeterminado.

Comércio

Em relação ao comércio, a orientação da Associação Comercial e Industrial de Campinas é que abram normalmente, ainda mais diante da situação econômica, ressalto o prejuízo da perda de um dia útil para área.

Unicamp

Os trabalhadores da Unicamp também foram convocados pelo STU a paralisarem as atividades neste dia 30. No caso dos professores da Universidade Estadual de Campinas, em assembleia na Adunicamp, que é associação dos docentes, a maioria votou pela não participação na greve.

Ônibus em Campinas

O sindicato dos rodoviários de Campinas e região também informou que a categoria não deve paralisar as atividades, embora sejam contrários as reformas propostas pelo governo – prometendo participar de futuras paralisações no futuro. Em um comunicado enviado às garagens obtido com exclusividade pelo ODC, o sindicato afirma que a “paralisação desta sexta-feira poderia colocar em risco a negociação para a data-base da categoria”. As cooperativas já informaram que vão operar normalmente. É importante ressaltar que essa é a posição do sindicato. Podemos ser surpreendidos com uma paralisação organizada pelos motoristas, sem o consentimento das lideranças sindicais.

Ônibus na região

Segundo o Sindicato dos Rodoviários de Americana e Região, que corresponde às cidades de Hortolândia, Sumaré, Monte Mor, etc, a informação é que todos os veículos vão sair das garagens normalmente nessa sexta-feira. É importante ressaltar que essa é a posição do sindicato. Podemos ser surpreendidos com uma paralisação organizada pelos motoristas, sem o consentimento das lideranças sindicais.