Homem que matou jovem após carona via WhatsApp era foragido desde março

Postado por Redação Ônibus de Campinas em 3 de novembro de 2017 às 15:27

Com informações do G1 Rio Preto e Araçatuba
O homem que confessou ter matado a jovem Kelly Cristina Cadamuro, de 22 anos, que desapareceu após dar carona combinada pelo WhatsApp, estava foragido desde março deste ano do Centro de Progressão Penitenciária de São José do Rio Preto, quando foi solto em uma saidinha temporária, segundo informações da Polícia Civil de Rio Preto.

Kelly saiu de São José de Rio Preto com destino a Itapagipe na quarta-feira (1º) para passar o feriado prolongado com a família do namorado.








O corpo foi encontrado no feriado de Finados, em um córrego entre as cidades de Frutal e Itapagipe, em Minas Gerais.

O corpo foi velado durante a manhã desta sexta-feira em Guapiaçu, onde Kelly morava com a família, e o enterro foi realizado no cemitério da cidade por volta das 13h.

Parentes contaram à polícia que Kelly participava de um grupo de carona e tinha combinado de levar um casal para a cidade mineira.

Na hora da viagem, a mulher desistiu e foi apenas o homem.

O último contato que a moça fez com a família, ainda de acordo com a polícia, foi quando parou para abastecer o veículo em um posto de combustíveis na BR-153.

Câmeras do circuito de segurança de um pedágio em Minas Gerais mostram a moça passando pela praça de pedágio dirigindo.

Logo depois, o carro volta, mas aí é um homem que está ao volante.

A polícia encontrou o carro da jovem abandonado e sem as quatro rodas, o rádio e o estepe em uma estrada rural entre São José do Rio Preto e Mirassol.

Foto: Reprodução TV TEM




Jonathan Pereira do Prado já responde por oito crimes: furto, roubo, estelionato, extorsão, ameaça, lesão corporal, apropriação e uso de moeda falsa.

Ele admitiu ter entrado em um grupo de WhatsApp com a intenção de roubar e matar a jovem.

Segundo a polícia, ele premeditou o crime porque levou uma corda junto na carona.

Na delegacia, Jonathan disse que a escolha da vítima foi aleatória, mas a Polícia Civil não acredita nessa hipótese, porque ele entrou no grupo e esperou ela oferecer a carona.

Além de Jonathan, outros dois homens foram presos em três bairros da zona norte de Rio Preto na madrugada desta sexta-feira