Hospital Ouro Verde será municipalizado, mas ainda não se sabe quando

Postado por Redação Ônibus de Campinas em 5 de dezembro de 2017 às 16:28

Com informações do G1 Campinas
O presidente da comissão de intervenção do Hospital Ouro Verde, Marcos Pimenta, afirmou que a gestão da unidade passará a ser municipalizada.

Além disso, a Secretaria de Saúde de Campinas estuda como incorporar gastos com 1,6 mil funcionários sem ultrapassar o limite imposto pela Lei de Responsabilidade Fiscal – que determina uso de até 60% da receita corrente líquida com pessoal.








O Hospital Ouro Verde deve fazer parte de uma rede municipal responsável pela gestão das unidades de urgência e emergência do município.

O anúncio dessa rede ocorreu antes da suspensão do contrato entre o Executivo e a Organização Social Vitale, publicada no Diário Oficial desta segunda, depois da investigação do Ministério Público que apontou desvio de aproximadamente R$ 4 milhões da unidade, incluindo superfaturamento e propina.

A Prefeitura e o gestor provisório do Hospital avaliam como vai ser feito esse processo, especialmente à adequação a lei.

A administração não tem capacidade para absorver as despesas dos mais de 1,6 mil funcionários do hospital do Ouro Verde – são 1.460 funcionários contratados e mais 170 prestadores de serviços, entre eles os médicos dos contratos como pessoa jurídica.

De acordo com o presidente da comissão de intervenção do Ouro Verde, Marcos Pimenta, que também é presidente do Hospital Mário Gatti – a verba que seria destinada à Vitale – teto mensal de R$ 10,9 milhões – será repassada aos funcionários para o pagamento dos salários.

Essa é a solução até que seja definido melhor modelo para gerir os profissionais que trabalham na unidade.