Já são 44 cães com leishmaniose em Valinhos

Postado por Redação Ônibus de Campinas em 29 de junho de 2017 às 06:42

Com informações do G1 Campinas
Subiu de 24 para 44 o número de cães infectados com leishmaniose visceral canina na área rural de Valinhos. Seis deles morreram.

Das 272 coletas de sangue em cães da cidade feitas até o final desta manhã, 138 exames deram negativo para a doença e 90 ainda aguardam resultados.

A doença causa queda de pelos, lesão nos olhos, crescimento e deformação das unhas, entre outros sintomas. A leishmaniose canina não é contagiosa. O único transmissor é o mosquito. A espécie também ataca humanos e a doença pode levar à morte em 90% dos casos, quando não há tratamento.

Os bairros afetados continuam sendo Jardim Paraná, Parque Suíça e Clube de Campo. Não há casos em humanos, nem sob investigação, segundo a Saúde.




Nesta quarta a Prefeitura iniciou ações de combate à doença no Jardim Paraná, onde o primeiro caso foi registrado, em maio deste ano. Ao todo 79 coletas de sangue de cães para exames foram feitas no bairro – número já incluso no total de 272.

As ações são feitas por quatro equipes e incluem orientações junto aos proprietários dos animais, com entrega de folhetos e análise dos imóveis. No Jardim Paraná, os trabalhos previstos devem terminar até a sexta (30).

As amostras são encaminhadas para o Instituto Adolfo Lutz e cada uma delas viabiliza duas análises do sangue do animal. Os resultados saem em até 30 dias.

Para cada cão infectado, o protocolo é colher exame de 100 cachorros nas proximidades, pois o mosquito transmissor – conhecido como flebótomo ou “palha” – tem um voo estimado em 250 metros.