Jovens do Projeto Guri contam experiências durante intercâmbio cultural na Noruega e no Malawi

Postado por Redação Ônibus de Campinas em 16 de dezembro de 2017 às 14:50

Quatro jovens do Projeto Guri participaram do programa de intercâmbio do Musicians and Organizers Volunteer Exchange (MOVE), criado pela JM Norway, membro da JMI – Jeunesses Musicales International (associação sediada na Bélgica que reúne diversas organizações musicais em cerca de 70 países), em parceria com a instituição musical Music Crossroads do Malawi e de Moçambique.

Jassá Aquino, como é conhecido o educador Henofrancy Aquino, e Aydan Schmidt passaram o primeiro semestre de 2016 na Noruega, no mesmo período em que os colegas Eduardo Scaramuzza e Ananda Miranda estiveram no Malawi.








De volta ao Brasil, eles compartilharam suas vivências internacionais.

No Malawi, Eduardo, Ananda e a intercambista norueguesa, Karoline Asskildt, criavam e desenvolviam o “Ta Kagunda Project” para meninas entre 10 a 18 anos, que tem como objetivo o ‘empoderamento’ feminino por meio da percussão.

Essa iniciativa foi muito além do ato de tocar tambor, fez com que as meninas da região e seus pais repensassem a ideia de que o sexo feminino não pode tocar esse tipo de instrumento.

O projeto foi implantado de maneira natural, respeitando os costumes regionais.

“É algo que me motivou e me motiva muito. Acredito que o Ta Kagunda vem mostrando, aos poucos, um caminho para quebra da tradição que proíbe as meninas de tocar tambor. No Malawi, elas não podem tocar nas festas e manifestação populares, só podem dançar e cantar. A partir do momento em que elas vêm que conseguem e podem tocar tão bem quanto os meninos, aos poucos emponderam-se e questionam outros valores enraizados”, disse Eduardo.




A convite do MOVE, Eduardo irá para a Noruega em agosto com a missão de apresentar as crianças de lá o Ta Kagunda Project e incentivar os novos intercambistas a darem continuidade ao projeto.

Além da criação do Ta Kgunda, em sua passagem pelo país africano, Eduardo, descobriu como construir instrumentos de raiz latinoamericana, como ganzás, cowbells, agogos, xequebaldes e triângulos, utilizando materiais e habilidades locais.

Para a Alessandra Costa, diretora executiva da Amigos do Guri, o programa MOVE consiste no desenvolvimento e troca de experiências dos alunos, educadores e o local de vivência durante o intercâmbio.

“É uma oportunidade única para o desenvolvimento da prática musical. Além de ajudar aos alunos e educadores do Projeto Guri a adquirir novas habilidades musicais, trata-se também de um momento para trocas culturais e de experiências, já que o MOVE proporciona uma intensa e rica vivência dos lugares para onde esses jovens são designados. Todos ganham com isso”, afirma Alessandra.