Luz no fim do túnel? Áreas são desapropriadas para marginais da Santos Dumont

Postado por Redação Ônibus de Campinas em 15 de Maio de 2017 às 09:26

Com informações do Correio Popular

Foto: César Rodrigues / Correio Popular

O governo do Estado de São Paulo assinou decreto declarando de utilidade pública uma área de 29,8 mil metros quadrados para a implantação das vias marginais da Rodovia Santos Dumont.

A desapropriação será feita pela concessionária AB Colinas.

A Agência de Transportes de São Paulo (Artesp) informou que a expectativa é que os trabalhos para a implantação das marginais tenham início ainda neste ano.

De acordo com a agência, a concessionária será responsável pelos custos de desapropriação necessária às obras de implantação das vias marginas, entre os km 70,6 e 77,6, entre as rodovias Anhanguera e Bandeirantes.

Por se tratar de obra não prevista no contrato de concessão, a agência informou que desenvolve atualmente estudos para apontar o valor orçado dos serviços para estabelecer um aditivo no contrato de concessão.

A AB Colinas informou que o projeto da obra está aprovado e a inclusão dela no contrato de concessão encontra-se em fase final de aprovação junto a Artesp.

Em nota, a concessionária informou que assim que esse processo for finalizado, realizará as desapropriações necessárias e, junto com a agência, dará mais informações a respeito do cronograma e orçamento dos trabalhos.

A Santos Dumont não possuiu marginais na maior parte do trecho urbano, e é cada vez mais utilizada como avenida por motoristas que se deslocam para outros bairros da cidade.

Os congestionamentos rotineiros são reforçados pelo movimento de passageiros de Viracopos e pelo incremento da frota da região. Nos horários de pico o trânsito para na rodovia.

A situação piorou após a ampliação dos voos em Viracopos, que geraram um movimento extra na rodovia de passageiros e funcionários do terminal aeroportuário e que tende a crescer com o desenvolvimento do aeroporto.




Quanto vai custar?

A obra depende ainda da conclusão dos estudos, mas em maio de 2015 a previsão era que seriam necessários investimentos de R$ 42 milhões para concluir as marginais em 18 meses.

As pistas paralelas — que ficam desniveladas do atual trajeto — serão aproveitadas para o projeto. Do lado esquerdo, sentido Campinas-Viracopos, o espaço é menor, e as pistas existentes devem ser transformadas em marginais. Do outro lado há mais espaço e serão construídas pistas paralelas ao viário municipal existente, que será mantido.

Em alguns trechos, em áreas privadas próximas a rodovia, serão necessários desapropriações e necessidade de ajustes devido à população que mora no entorno. A obra vem sendo esperada desde 2014, quando foi anunciada pelo governo do Estado e a complexidade da construção acabou adiando a implantação do projeto.