Nossa Opinião: Até quando seremos vítimas dos transbordamentos em Campinas?

Postado por Redação Ônibus de Campinas em 19 de novembro de 2017 às 11:11

A cidade de Campinas enfrentou mais um forte temporal na noite deste sábado, dia 18, e mais uma vez passou por grandes dificuldades que colocaram em cheque, de novo, a falta de planejamento e de equipamentos necessários para garantir a integridade física e patrimonial de quem vive aqui.

As avenidas Orozimbo Maia, Anchieta e Princesa D’Oeste viraram rios que arrastaram carros e colocaram em risco a vida de quem estava por ali naquele momento – até mesmo com uma possível morte, conforme relato exclusivo publicado pelo ODC.





Foto: Nyvia Lima / seguidora ODC




Até quando Campinas terá que viver com esses alagamentos? Há anos a situação é essa: chove, e os córregos da cidade transbordam.

A situação do distrito de Sousas é um pouco diferente, já que as habitações foram construídas às margens do Rio Atibaia que também sobe quando chove muito, causando enormes perdas e transtornos.

Mas mesmo assim a prefeitura deveria tomar providências quanto a esse transbordamento repentino do Atibaia ao invés de apenas instalar uma simples sirene de alerta.

É possível fazer obras que resolvam esses problemas? Sim!

Temos um grande exemplo no Complexo Joá Penteado, os dois túneis que passam por baixo do complexo ferroviário campineiro. Se a obra tivesse sido mal feita seria muito fácil haver alagamentos ali ou então as vias em declive poderiam se transformar em grandes canais de escoamento da água que desceria diretamente da Estação Ferroviária ou do viaduto da Avenida Lix da Cunha.

Mas, não. O trabalho de drenagem ali foi muito bem feito e muito raramente há empoçamento de água em qualquer ponto dos dois túneis.

Foto: Patrícia Braz / seguidora ODC




Como já é exaustivamente sabido, Campinas fica em um corredor que favorece vendavais e fortes chuvas.

Sabendo disso, por que a prefeitura e o Governo do Estado, e até o Governo Federal, não fazem nada para melhorar? Por que não se fazem obras para que as águas escoem de forma eficiente?

Ao contrário da Avenida Lix da Cunha, que foi totalmente remodelada pelo Governo do Estado, foi construído um sistema de drenagem com grandes tubulações subterrâneas, que não funcionam.

Ontem a via estava com pontos de alagamento em toda a sua extensão, sobretudo nos pontos de parada dos ônibus, onde justamente não deveria acontecer alagamento algum.

Na Estação de Transferência Anhanguera, a via fica com um enorme acúmulo de água sempre que chove um pouco mais do que o normal.

Foi uma obra muito mal feita e que hoje causa grandes transtornos à população.




E a Avenida Princesa D’Oeste? A situação foi quase que totalmente solucionada próximo ao Viaduto Laurão, mas continua problemática no final do Jardim Proença.

Qual o problema da prefeitura investir em obras de escoamento pluvial? E os transbordamentos comuns na Avenida Orozimbo Maia? Por que não se constrói um piscinão decente?

Por que não se faz uma canalização que consiga escoar toda a água com eficiência? Toda vez é a mesma coisa: pessoas morrendo, perdendo carros, tendo suas casas alagadas, e a prefeitura com as respostas-padrão de sempre. Querem apostar quanto que a prefeitura vai dar uma das seguintes respostas nos próximos dias:

    1. Choveu demais, mais que o normal. A culpa é de São Pedro
    2. Apesar dos alagamentos, a maior parte da cidade não foi prejudicada pois investimos em obras de saneamento
    3. Campinas é uma cidade resiliente, reconhecida nacionalmente
    4. Apesar dos alagamentos, os transtornos foram pequenos
    5. Campinas tem um excelente sistema de escoamento de água

Sobre a resiliência, o senhor prefeito não pode mais ficar se gabando pois houve ao menos uma morte.

Ou seja, a cidade transbordou, morreu uma pessoa, e a prefeitura vai fazer o que? Falar as mesmas frases de sempre, não vai fazer nada e esperaremos a próxima chuva para transbordar tudo de novo, matar mais gente e patrimônios serem destruídos.