O que é jejum intermitente? Ele realmente emagrece?

Postado por Redação Ônibus de Campinas em 21 de novembro de 2017 às 16:27

O estilo de alimentação que alterna períodos de jejum com períodos de alimentação, conhecido como Jejum Intermitente, vem conquistando cada vez mais adeptos.

Popular entre famosas conhecidas pela boa forma como Deborah Secco, Juliana Paes e Sabrina Sato, a estratégia alimentar vem ganhando cada dia mais adeptos por acelerar o processo de emagrecimento e trazer uma série de benefícios para o organismo.








A proposta é substituir a clássica recomendação de comer de 3h em 3h pelo hábito de priorizar as comidas de verdade, com pouco ou nada de industrializados, e só quando a fome bater realmente.

Além de promover a perda de peso, cientistas defendem que o método faz bem para o corpo e mente e pode inclusive aumentar a expectativa de vida.

Patrick Rocha, médico e pesquisador na área de nutrição e doenças crônicas, também faz parte do time dos profissionais da área da saúde a destacar os benefícios do Jejum Intermitente não apenas como facilitador para o emagrecimento como também na prevenção de doenças cardiovasculares e diabetes.

“O jejum intermitente trata-se de uma sequência preestabelecida de jejuns, que pode ser de 16h, 18h e até 24h, revezados com dias de alimentação regular. Diferente do que muita gente pensa e acredita, eu afirmo que essa prática não é uma dieta e sim um estilo de alimentação, que tem como proposta principal uma baixa ingestão de carboidratos, e preconiza que sejam utilizados alimentos como carnes, peixes, vegetais, gorduras naturais e frutas somente na hora da fome e não em horários pré-estabelecidos”, explica dr. Rocha.

Ganhador do Nobel de medicina em 2016, Yoshinori Ohsumi identificou em pesquisas que o jejum realizado periodicamente pode inclusive aumentar a expectativa de vida a longa prazo, já que atua até mesmo como um mecanismo de autolimpeza do corpo, promovendo a reciclagem das células.

Apesar de parecer mais uma tendência do momento, o Jejum Intermitente é considerado um antigo segredo de saúde, praticado em toda história da humanidade.

Segundo Rocha, ao comer a cada 2h ou 3h, o corpo não consegue consumir a energia armazenada no corpo.




“O jejum permite que o corpo queime o excesso de gordura corporal que foi armazenada. Se você está constantemente comendo, como é recomendado muitas vezes, o corpo usa parte da energia alimentar recebida e estoca parte dela, transformando-a em gordura, ou seja, você engorda comendo a cada 3h. Outro fator relevante é que embora a glicose seja uma importante fonte energética para o organismo, ela também estimula a resistência à insulina, que pode causar uma série de problemas de saúde, entre eles o diabetes. O jejum intermitente ajuda a redefinir a utilização de gordura corporal como combustível energético, potencializando o trabalho e funcionamento das células”, comenta.

Embora cientificamente esse tipo de alimentação realmente funcione e possa trazer uma série de benefícios, não é recomendado a adoção da prática por pessoas que tenham alguma doença crônica como diabetes tipo 2 descompensada, hipertensão, crianças, adolescentes, gestantes e idosos.

Dr. Rocha lembra que cada organismo é único e existe uma série de questões adaptativas que varia de pessoa para pessoa. Por essa razão, é recomendado que o jejum intermitente seja sempre feito com orientação profissional.

Nutricionistas e médicos são os profissionais da saúde mais adequados para realizar uma avaliação individualizada antes de iniciar.