Pára-brisa de ônibus da linha do Gargantilha cai após passar por buraco

Postado por Redação Ônibus de Campinas em 9 de Fevereiro de 2017 às 18:15
Os buracos nas ruas do bairro Gargantilha, na região do Carlos Gomes, em Campinas, fez o para-brisa de um ônibus da linha 3.50 (Estação Cidade Judiciária/Gargantilha) a se desprender e cair sozinho durante o percurso bairro/Centro, na manhã desta quarta-feira. Ninguém ficou ferido. Com medo de perder o horário de entrada do trabalho, os passageiros convenceram o motorista a seguir viagem, mesmo com o vento frio dentro do ônibus. “Não tínhamos outra alternativa. Tem ônibus a cada 40 minutos e se esperássemos, chegaríamos atrasados no trabalho”, disse a cozinheira Rosângela Dolla.
O incidente foi por volta das 6h ainda no Gargantilha. Com a chuva do mês passado, as ruas do bairro ficaram mais esburacadas e em algumas deles com crateras. De acordo com passageiros, o ônibus estava lotado e como havia passado por muitos trancos nas ruas esburacadas, pouco depois que acessou uma rua nivelada, o vidro se soltou e caiu para a frente do ônibus. “Eu estava sentada em um banco atrás do motorista e quando vi o vidro caindo disse: ‘meu Deus’. O motorista se assustou e parou”, contou Rosângela.
O motorista quis parar a viagem, mas como os usuários estavam apressados, convenceram o motorista a seguir em baixa velocidade. “Ventava muito dentro do ônibus, mas era tudo ou nada. A gente só queria chegar logo no trabalho”, disse outra passageira, que não quis ser identificada. A viagem que costuma durar 40 minutos, durou cerca de uma hora. De acordo com os passageiros, essa não é a primeira vez que um ônibus quebra no bairro ou nas proximidades devido aos buracos nas ruas. No dia anterior, um outro ônibus que também fazia o percurso bairro/Centro quebrou sobre a ponte do Rio Atibaia.
Os passageiros esperaram por cerca de uma hora. O incidente foi por volta das 16h. Em nota, a VB3, dona do ônibus, confirmou o dano no veículo e disse que as razões precárias da via geram desgaste e manutenção dos ônibus acima da média registrada em vias asfaltadas. O custo de manutenção da linha, segundo a empresa, é sete vezes maior que as demais linhas e a cada 20 dias os ônibus precisam ser desmontados e remontados. “A empresa implementa esforços constantes para manter a qualidade de atendimento aos passageiros, mas quando, em razão das condições viárias, há danos que impeçam a continuidade dos serviços, o ônibus é recolhido para nova manutenção e um ônibus reserva é colocado no lugar”, informou.
A Secretaria de Serviços Públicos informou que dispôs três motoniveladoras para trabalhar no bairro desde a semana passada e permanecerá até o fim desta semana. Além disso vai disponibilizar hoje uma compactadora para a região. “As vias estão recebendo 1,2 mil metros cúbicos de cascalho. No entanto, por causa das chuvas, algumas que já haviam sido niveladas estão sendo refeitas, inclusive o acesso ao bairro”, frisou nota.

• Com informações do Correio Popular.