Que coisa, não? Artesp encontra 53 falhas na Rodovia Santos Dumont

Postado por Redação Ônibus de Campinas em 11 de junho de 2017 às 12:21

Com informações do Correio Popular

Foto: César Rodrigues / AAN

Uma fiscalização “surpresa” realizada nesta quinta-feira pela Agência de Transporte do Estado de São Paulo (Artesp) identificou 53 pontos com problemas na Rodovia Santos Dumont (SP-075), entre o trecho de Campinas e Itu. A maioria das falhas era relacionada a sinalização vertical, de placas de trânsito e indicativas. Os fiscais da operação pente-fino percorreram 125 quilômetros dos 307 sob a concessão da AB Colinas.

Caso os reparos não sejam feitos dentro do prazo determinado pela Artesp, a concessionária poderá ser multada em R$ 1,74 milhão. A concessionária informou que fará os reparos dentro do prazo.

Além dos problemas envolvendo a sinalização vertical – como placas fora do regulamento, sujas, com baixa visibilidade, entre outros —, também foram constatados trechos com problemas em defensas e barreiras de proteção (fora do padrão ou danificadas), trincas no pavimento e um deslizamento de talude. De acordo com a Artesp, o problema na sinalização pode trazer riscos para os usuários por dificultar a visibilidade de informações importantes para a segurança viária, como o limite de velocidade, restrições ao tráfego e a ultrapassagens.

Já as defensas danificadas ou fora da norma podem oferecer riscos por não assegurar proteção ao usuário em situações adversas. Os problemas encontrados no pavimento podem ser agravados pela concentração do tráfego, além de causar desconforto aos motoristas.

Diante dos riscos identificados, a Agência determinou à concessionária que realize os reparos e readequações necessários nos prazos previstos em contrato, que variam de 48 horas (para o reparo de placas) a 90 dias, de acordo com a característica e gravidade do problema. Em caso de não conclusão dos trabalhos no período contratual, a Colinas está sujeita a multa.




A concessionária AB Colinas informou que realizará os reparos dentro dos prazos contratuais, o que não acarretará na aplicação de multa. Disse ainda que os apontamentos realizados pela Artesp na vistoria ocorrida na quinta, que já estavam no cronograma de manutenção, tem prazos de execução previstos no contrato de concessão, e que, portanto, não se caracterizam como inadimplências contratuais.

Segundo a Artesp, a ação especial, fora da rotina do programa de fiscalização permanente, chamada de “pente-fino” verifica a condição de itens vitais para a garantia de que São Paulo siga liderando o ranking das principais estradas do País.

Segundo o último levantamento da CNT, São Paulo concentra 19 rodovias entre as 20 melhores do Brasil, sendo que todas elas compõem os 6,9 km da malha do Programa de Concessões Rodoviárias do Estado. As vistorias e fiscalizações realizadas pela Artesp são rotineiras.

No caso da Operação Pente Fino, que já passou por diversas concessionárias do Estado, o objetivo também é o de acompanhar o trabalho realizado pelas empresas no cumprimento do contrato de concessão.