Você sabia que a prefeitura só reajustava a tarifa quando as empresas compravam ônibus novos?

Postado por Redação Ônibus de Campinas em 9 de Janeiro de 2018 às 11:55

A atual administração da prefeitura de Campinas está cometendo uma série de barbáries no que diz respeito à tarifa do transporte público já há alguns anos e os vereadores, que deveriam servir como poder fiscalizador das práticas do executivo, não fazem absolutamente nada para verificar isso, a não ser apoiar o prefeito em tudo o que ele faz, seja certo ou errado.

Desde que o sistema de transporte coletivo urbano por ônibus foi implantado na cidade, ainda na década de 50, o reajuste das tarifas é vinculado à melhorias do serviço, o que não vem acontecendo há muito tempo. Na década de 70 era muito comum ler n

Um dos ônibus comprados desde 2015 pelas empresas da cidade. Esse só veio pois circulará em caráter de testes.

as páginas dos jornais da cidade que a empresa CCTC, que operava oficialmente sozinha na época, mantinha guardada em sua garagem lotes de novos ônibus que eram colocados em circulação apenas o reajuste da tarifa. A prática era condenada pelo poder público e obviamente pela população, enquanto a CCTC alegava ser apenas uma coincidência, e dias depois os veículos zerados já estavam nas ruas.

 

Nos anos 80 os reajustes das tarifas aconteciam quase que mensalmente por conta do descontrole inflacionário do país, o que não permitia grandes exigências. Mas nessa época a prefeitura chegou a decretar intervenção em algunas empresas por conta dos péssimos serviços prestados por elas. Outras chegaram a até ser substituídas ou trocaram de proprietários pois não tinham mais condições de operar tamanha a situação calamitosa.

Já na virada dos anos 80 para os 90, Campinas viveu seu auge no transporte público, sendo listado como um dos melhores do país. A prefeitura fez grandes investimentos no setor e emprestou dinheiro para que as empresas fizessem a troca da frota. Com uma frota novinha e quase toda financiada pelo BNDES em parceria com o poder público municipal, Campinas pôde desfrutar de um padrão que jamais seria visto novamente. As empresas alegaram na época que ficaram muito endividadas e desde então reclamam que operam “no vermelho”, ou seja, que estão circulando no prejuízo. O mais curioso é que algumas empresas daquela época estão em circulação até hoje, já houve uma licitação (oportunidade para desistir de operar e mudar de ramo) mas continuam aí, reclamando que o sistema dá prejuízo.

Depois de meados dos anos 90, com exceção do final da década, e retomado após o início dos anos 2000, o reajuste da tarifa sempre esteve vinculado à exigência de renovação de frota. Isso obviamente não era oficial e nem estava em contrato, porém fazia-se um acordo de cavalheiros: a prefeitura aumenta a tarifa e as empresas trocam uma parte da frota. Desde 2015 isso não acontece mais na cidade, porém a tarifa continua subindo. E o que é pior: há ainda o pagamento de um subsídio! Além de ter uma das tarifas mais caras do país (se não for a mais cara), as empresas ainda recebem dinheiro da prefeitura para ‘completar’ o valor da tarifa.

Mas vejam se não há alguma coisa errada em tudo isso. Tudo bem que o valor do óleo diesel subiu absurdamente nos últimos tempos mas há coisas que não fazem o menor sentido. Nos últimos anos as empresas reduziram seu quadro de funcionários com o fim do cargo de cobrador. Também houve uma redução da frota nas ruas e as empresas não compram mais ônibus novos desde 2015 e pelo andar das coisas não farão compras também neste ano. É o mesmo que você comprar um pãozinho em uma padaria por R$ 10,00, um pão de baixa qualidade e muito mal feito, e ir na da frente e comprar um de R$ 0,50 com uma qualidade muito maior. Campinas paga por uma transporte de péssima qualidade, mal operado e ainda com a conivência de um poder público incompetente.

O secretário de transportes Carlos José Barreiro, o pior de todos os tempos, ainda tem a desfaçatez de dizer que o transporte campineiro é “excepcional”. Como ele tem a capacidade mental e moral de dizer um enorme absurdo desses? Lógico, ele não usa o transporte público, gasta o dinheiro da população com funcionários e carros oficiais. E cadê a licitação tão prometida? Todo ano é a mesma história: ah que estão finalizando, que em breve o edital será publicado… Tudo mentira. O Barreiro mente, engana a população e tem o aval do prefeito que está sob suspeita de corrupção na área da saúde.

Fiquem de olho. Subir tarifa sem exigir melhoria é uma enganação sem fim e um desrespeito da prefeitura para com os munícipes.